Site de Poesias

Menu

Miro Mirtes a Mirar

Miro Mirtes a mirar
o mirante entardecer
o almirante envelhecer

o infante correr

a amante não ceder
o aspirante retroceder
a lua acender
e o espelho lhe dizer:
Pra quê sofrer?
 
Mirtes mira

a rua esvaziar

a molecada vazar

a estrela chegar

a janela fechar

o vizinho se descuidar

a menina namorar

e eu a mirá-la
como se mira o mar.
 
Mirtes mira

e se admira

e padece

e amolece...

Simula

e dissimula

e acena

e contracena

e eu na sua mira.

 

Miro Mirtes

até ela
virar janela.
Miro, em partes,
o que não mirei
enquanto Mirtes amei.

Compartilhar
Praciano
21/06/2013

  • 2 comentários
  • 106 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados