Site de Poesias

Menu

Os olhos de quem ama e não quer amar

Por que me perturba tanto?
Fingindo não ver o que é claro feito o brilho nos olhos das donzelas
Faz-me sorrir uma encenada alegria
Enquanto meu coração chora a mais profunda dor.
 
Avista um oásis em chamas
Ignora o calor de suas brasas
Busca uma luz nas profundezas da escuridão
Resistindo a esta infindável paixão.
 
No isolamento de nossa intimidade
Desfaz de sua falsa sensatez
Esquece seu brilho ofuscado
Entrega-se a um riacho corrente
Refletindo a dor de um coração deprimente.
 
Adormecemos depois da guerra
Em paz por um breve momento
Sem sonhos, sem ilusões
Inconsciência é felicidade
Viver significa saudade.
 
Os dias passam, o tempo passa

 
Certos sentimentos são eternos...

Compartilhar
Renato Alves
08/06/2013