Site de Poesias

Menu

Arroubados de amor

[Ilustração não carregada]

 
Onde estamos nós agora, amor?
Por certo deitados eternamente
sentindo o  doce embalo do vento
 murmurando segredos  no colchão de pó de estrelas.
Os nossos velhos, e novos sonhos
deixam por breve momentos de serem segredos...
E,  refletidos na clareira do céu
nos fazem saborear felicidades
infindas e
inexplicáveis!
Centenas de anjos entoam canções conhecidas,
velhas e novas
até que adormeçam
todos os pensamentos
de que um dia tudo isso acabará.
(Será possível????)
Palpites chegam de todos os cantos
desse universo que nos ronda:
Um eco longínquo
diz que é eterno.
A lua aposta que também será.
As estrelas dizem que essa luz jamais se apagará!
No mais belo dos recantos
dos meus pensamentos
uma estrela guia sussurra
numa voz quase igual a tua,
que isso nem parece real.
Portanto...imortal!
Nós?
Ah!Nós não pensamos em nada!
Deitamos e relaxamos
cada dia
embaixo de uma árvore diferente
vivendo mil e um sonhos
e sempre iluminados pela luz do luar.
Vamos,amor meu!
Vamos escancarar a janela.
Vamos modelar nossa paixão
com artífices do imaginário,
e do interminável.
Vamos esquecer incertezas,
ontem e amanhã.
Vamos escalar nossos ensejos,
sentir que somos (mais uma vez) donos do tempo
e ficarmos por ai como vadios
embriagando-nos de vida,
e nada mais!
Vamos  jorrar dos nossos poros
amor, amor, amor...
Que o amor nos embriague
e desafie o tempo,
o vento,
a vida até!


Vem ,amor meu,
e escuta o que tenho a te dizer:
(eu, e toda a constelação do universo, que conspira a nosso favor!)
Ainda é cedo.
Temos todo o tempo do mundo,
mesmo que possa parecer contrário.
Porque o tempo todo do mundo
cabe até num breve instante
quando o interminável existe!
E, ainda que minhas pálpebras se fechem
adormecendo sobre teu rosto
                                                          e o nosso colchão de pó de estrelas
liquefaça-se,
ou ainda, a noite pouse
sobre a lua
silenciando o vento,
quero que ouças:
(se bem que já sabes...)
Tu és meu.Sempre foi!
E eu, sou tua, como sempre.
Encontrei em ti
tudo que sou
tudo que tenho
tudo que almejei um dia!
E isso, meu amor,
é inconcusso.

 

Compartilhar
eugênia morais
18/11/2011

  • 3 comentários
  • 420 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados