Site de Poesias

Menu

Depois de você

Depois de você

Tudo muito tristonho

É como não se conhecer

Viver numa família de estranhos

Um teatro de clichês

Como se ninguém lembrasse

O que sabiam fazer

Nem na hora do almoço

Ou até andar direito

Sorrisos maniqueístas

Fabricados por botox

Expressões inexpressivas

Distantes, feitas a fórceps

Uma falsa alegria

Bocas sem graça

Noite sem dia

Bancos sem praça

Tudo mentira...

 

Depois de você

No mundo não chove

Nada tem a ver

O vento não move

Nem palha sequer

A faca é sem corte

Sem doce é o mel

Os fracos são fortes

Pedra ganha do papel

É um deserto de gente

Um mar de retirantes

Que chegam de repente

Mas que voltam muito antes

Do sibilo da serpente

Daqui para tão distante

Do nunca mais para frente

De onde vieram tantos

Ilustres indigentes?

 

Depois de você

Nada igual ficou

Vejo o que ninguém vê

Só mesmo eu sei quem sou

Mas não me vejo na tv

Sou um filme que acabou

Uma sombra, um ex-BBB

Nem Bial lembra quem ganhou

Não sei se fui eu quem partiu

Ou foi você quem não ficou

Compartilhar
André Ferreira
03/02/2011

  • 1 comentário
  • 774 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados