Site de Poesias

Menu

Maria de Deus

[Ilustração não carregada]

Qual alma viril não se curva
ante a suavidade da alma feminil?
Qual força não se aquieta em paz
frente ao fecundo amor maternal?
Ave, graça! Madre pura de coração.
Ave, semente de amor na face árida da Terra!
Mãos de serva, mas olhos de rainha.
Mãe das mães.
Abençoa, por ti, a bênção
que vem do Pai,
pois tu mesma já és bendita.
Árvore do Pão da Vida,
consola a fome dos justos.
Bendita és tu
por ter nascido mulher.
Bendita és tu
entre todas as mulheres.
A beleza de tua santidade
tem os traços da humildade.
E tua graciosidade é tão delicada,
que nem os anjos têm a graça de ti.
A chama de tua alma não queima,
mas é calor de afeto consolador.
O silêncio de tua boca muito diz,
pois teu sorriso simples encanta.
E neste sorrir parece encontrar-se
com os segredos da criação.
E toda a potência da força
se cala ante tua delicada beleza.
Sagrada é tua formosura.
Maria de Deus.
Maria de Cristo.
Maria de nós.
Mãe maternidade.
Acolhe-nos como se fôssemos
teus filhos.
Irmana-nos a teu filho maior.
Ensina-nos do profundo amor.
Santa Maria.
Madre Maria.
Mãe Maria.
Anda suave
pelos caminhos celestes.
Flutua em nossos pensamentos.
Visita, faceira,
os nossos corações.
Dá-nos o teu colo.
Acolhe-nos junto
a teu bendito ventre.
pois ali estiveste depositado
teu Bendito Filho.
Irmã de nós.
Mãe de nós.
Espalha a bênção
de teu suave sorriso.
Lembra-nos da misericórdia do Pai.
Traz-nos o aroma das flores do céu,
pois foi por ti que veio a promessa suave.
A coragem pacífica
que deu Sua vida por nós.
enquanto tu foste a testemunha.
E de tua dor deste tuas lágrimas por nós.

Compartilhar
Gilberto Brandão Marcon
12/10/2010