Site de Poesias

Menu

Outra Face

 Caem cheios, meus versos:
Em poucas lagrimas de poesia
Tênues e calmos,
Como o descansar das marés.
 
Voam sem ritmo e sem asas no tempo
E eternizam-se na memória
Compondo-se com palavras,
Se tornando imortais
 
Como são doces, tácitos e loucos
Meus pobres e deliberados versos
São produtos do nada, para o nada
Todavia reais decerto.
 
É! Meus versos alimentam-me
Me fazem: contudo voar
São provenientes da visão oculta
Vejam só: meus versos, sou eu.
 

29/06/03

Léo Nazare

 

 

Compartilhar
Léo Nazare
09/02/2010

  • 1 comentário
  • 51 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados