Site de Poesias

Menu

Para se viver um grande amor

[Ilustração não carregada]

Há que se torná-lo infinito
custe o que custar
seja a que preço for
fazendo-o durar para sempre
com cuidados,mimos e atenções diárias.

Há que se cuidar molhando-o e regando-o amiúde
com a água da vida
aquecendo-o com a chama do fogo
que arde sem queimar.

Há que se expandi-lo até que alcance o infinito
e lá adquira a sabedoria da eternidade...

Há que se envolvê-lo cuidadosamente com o manto sagrado que cobre todos os anjos
e pedir a Deus que o guarde em sua tenda
o acolha em suas poderosas mãos
e o abrigue nas suas asas...

Há que se agradecer a Deus a cada dia
e pedir que o abençoe e o proteja
dos homens maus,dos animais ferozes,
do veneno da cobra,
dos dentes do leão,
das tempestades,furacões e maremotos.

Sim,há que muito pedir a Deus!

Há que se renová-lo como se renovam as manhãs.
Deixar que ele amanheça antes do nascer do sol
e anoiteça após o ocaso.

Há que se atualizá-lo e fazer dele a mais importante e recente notícia
da primeira página
de um jornal famoso!

Há que se fechar os olhos pra não lhe ver os defeitos
E abri-los ante as virtudes
para não perdê-lo de vista.

Há que se ter zelo,muito zelo
um zelo excessivo que adoce sem enjoar.
Que se faça presente sem se notar.

Há que se proteger o seu sabor ora com sal,
ora com açúcar
na dosagem certa que o faça sempre apetitoso
e desejado.

Há que se ignorar o lado da sua verdade que dói
e ficar atento às mentiras que o torna irreal e safado.

Há que soltar-lhe as asas para que voe bem alto e para longe,
alcance os céus e traga deles
todas as cores do arco-íris.

Há que se fazer trocas sem nada pedir de volta.
Há que se doar, doar sempre
sem esperar agradecimento...

Há que se anular sem pestanejar.
Há que se rastejar sem se envergonhar.
Há que se fazê-lo novo e sensacional
como um nascimento de uma criança.
Há que se ceder, abrir mão, conter ânimos e desânimos.
Navegar em outras praias, esquecer sonhos
vontades próprias, planos e ideais,
Sim há que a tudo renunciar
e esquecer-se de si mesmo procurando sempre a felicidade do outro
como objetivo único.

Há que se arriscar todo tesouro da terra
e apostar no ouro celestial
sem medo de perda e sem esperança de volta.

Há que se passar por cima de brasas e pisar em pregos.
Há que se arrastar, rebaixar-se.
Sim , há que muito se humilhar.
Deixar tudo para lá, sem hesitar.

Há que se confiar, respeitar, acolher palavras.
Jamais duvidar, saber escutar.
Sim há que se escutar com a alma
sem pestanejar!

Pois o amor só é privilégio de quem escuta...

Há que se observar todas as entradas e saídas.
Sim, há que se sair sempre por onde entrou
usando as portas principais.

Há que se observar cada movimento dos astros
e a sua iluminação.
Acordar com a luz do sol
e deitar no brilho do luar.
Sim há que se saber contar estrelas
e saber das fases da lua
para que jamais lhe falte o brilho
do romantismo.

Há que se saber rimar amor com dor.
Sim, há que ser poeta!

Há que se juntar as partes da laranja,da maçã
da uva e de todas frutas
numa exata precisão.

Tecer teias, construir ninhos e casulos.
Construir fortes e palácios.

Sim,há que se possuir abrigos seguros,
escalar montanhas.
Descer às profundezas das águas
e contar os grãos de areia.
E voar desafiando o universo ...

Sim há que se tocar em asteroides e planetas
e chegar bem perto do buraco negro.
E entrar, se preciso for.

Há que se ter pouquíssimo siso
e muito riso.
Sim! há que se muito sorrir
fazer pieguices, palhaçadas
e deixar o bom senso do humor reinar
para que jamais lhe fuja a graça...

Há que se cultivar a alegria sem a esperar.
E enterrar a tristeza antes de nascer.

Há que se operar milagres na alma.
Ter cuidado com o falar.
Estar atento no escutar.
E lutar contra todas
as evidências contrárias.

Há que se ser de tudo um pouco:
amante, amada, safada, malabarista.
Sim, e ser também um pouco de artista
de médica e de louca.

Há que se criar raízes profundas
impossíveis de arrancar.
E ser parasita para não desgrudar.

Há que se cantar e dançar
saber todos os ritmos
e ter uma melodia própria
compassada numa só cadência.

E se virar pelo avesso pra mostrar beleza
virtudes, inteligência, frescor e perfume infinito.

Sim !Também há que se ter cuidado com o corpo e a alma
e torná-los para sempre bonitos
do mesmo jeito que no início
quando tudo começou.

Há que se achar beleza no outro!

E esquecer o narcisismo.
E o egoísmo.

Há que se temer o tempo e o dia-a-dia.
Fazer de cada minuto um momento
diferente, divertido, inédito
Sim,! E inventar coisas
eloquentes e diversificadas.
Ser criativa e detalhista.

Há que se saber ler , escrever e, somar
E até... mostrar tolice,
escondendo o muito saber.

Há que se observar atentamente a chama do fogo
para que não se apague enquanto dormes.
E ter cuidado com o sono
sonhos e os pesadelos.
Há que se alimentar o futuro com sonhos.
Eliminar o passado e fazer o novo de novo.

Há que se temer a tudo e vencer todos os obstáculos.
E observar atentamente aos predadores.
Há que se lançar-se ao fogo
incendiar-se e renascer das cinzas
tal qual Fênix.

Há que se descomplicar sempre,
observar os custos e benefícios
perdas e danos
saldos e dívidas.

Há que se suportar a coexistência dos contrários.

Há que se levantar a bandeira da paz eterna,
andar de mãos enlaçadas com a harmonia,
de braços dados com a doçura.
Sim, há que se passar bem longe da guerra,
das discórdias, das discussões
e da incompatibilidade.

Para se viver um eterno amor,
há que saber beijá-lo, afagá-lo, acarinhá-lo
num só fôlego e
dar-lhe colo como se fosse o primeiro filho.
Amamentá-lo
e embalá-lo no pedaço mais iluminado do coração.

Há que saber endeusá-lo, respeitá-lo, valorizá-lo, e admirá-lo.
Sim, saber admirá-lo com excessiva adoração
como se fosse o único perfeito
e último sob a terra...

Há que se torná-lo glamoroso ,
cheiroso
e tudo fazer para mantê-lo belo jovem e com o frescor das flores.

Há que se enxergá-lo sempre com os
olhos do coração.
Com dois olhos alados.

Para se viver um eterno amor,
há que ter muito sacrifício.
Há que não ter limites nem barreiras
e muito lutar contra todas as evidências
que o torna finito só enquanto dura!

Sim! Há que se provar ao mundo sua eternidade!

Para viver um eterno amor
há que se pagar um altíssimo preço.
Sim, há que se fazer uma grande escolha
e tudo arriscar.
Até a própria vida!

Para viver um eterno amor,
com certeza
há que se morrer para a vida
antes que a própria vida o mate.

Compartilhar
eugênia morais
16/11/2009

  • 0 comentários
  • 230 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados