Site de Poesias

Menu

A Bela da Noite

[Ilustração não carregada]

 
Noite. Já vai madrugada, 
perfil de mulher.
As pálpebras se cerram
em movimento felino.
O cérebro exausto 
recebe consolo do coração.
Fechado para o mundo, 
ganho olhos de ver.
Minha imaginação 
se abstrai em voo errante.
Assombram-se ares feminis, 
invadem os sentidos.
O toque... um suave perfume... 
e a memória se aviva.
Desenho um sorriso maroto nos lábios.
Pressinto que um olhar 
me vigia e me guarda.
São olhos a brilhar 
como que preciosas jóias.
São olhos que me chamam, 
que em silêncio pronunciam o meu nome.
Presença oculta,
musa de verso ainda por surgir.
Anda pelas trilhas do coração
e canta uma cantiga, 
e murmura uma poesia.
É liberta, é posseira, 
está porque quer estar.
Oculta-se em seu manto de cabelo.
É seu adorno. Mas é ela mesma
seu maior adorno.
É bela, e ponto.
Nada acresce, nada diminui.
Pintura viva, escultura com alma, 
espírito para as letras.
Comunga os músculos da paixão
com as virtudes altivas da alma
para transcender em encanto. 
Para bater à porta, entrar mansa
e fazer morada no coração.

Compartilhar
Gilberto Brandão Marcon
08/08/2009