Site de Poesias

Menu

OLHOS DE CURUMIM

[Ilustração não carregada]

OLHOS DE CURUMIM
             
Quando a natureza despertou
Ele adormeceu em devaneios
Bombardeado com os seus encantos.

Despertado ele passou a observá-la
Em cada detalhe
Em cada canto.

Seus olhos: era o sol
A terra: sua pele trigueira
Seus cabelos: as matas
Os rios: o sangue que lhe corria
Seus pulmões: o ar fresco
Sua voz: o vento
A chuva... Seu pranto!

Ele percorreu a floresta
Subitamente, no meio do caminho
A encontrou deserta
A natureza começou a chorar...

Suas lágrimas caíram do céu
Entristecendo o curumim.
Ele apontou sua flecha
E atirou ao infinito...

...Tupã a recolheu
Encontrando uma mensagem:
“Pai, perdoai-os porque eles não sabem o que fazem”


De: Agamenon Troyan
machadocultural@gmail.com
carlostvcdr@yahoo.com.br
 

Compartilhar

Machado-MG

Agamenon Troyan
19/09/2008