Site de Poesias

Menu

SAUDADES DE ANDRADINA

Salve,salve Andradina,cidade onde eu nasci;
Hoje,cheio de saudades,eu venho falar de ti.
Busquei no fundo da alma,a minha inspiração,
Fiz uma volta ao passado,em minha imaginação.

Recordei-me com carinho,oh,Andradina,querida;
Dos momentos mais felizes que tive em minha vida.
Me vi correndo descalço,pelas ruas de areião,
Das brincadeiras dançantes,lá no Pereira Jordão.

Dos namoros e paqueras,na Praça Moura Andrade;
Da quermesse,aos domingos,que era prioridade.
Das peladas que faziamos,no Campo do japonês,
Foi ali,em 79,a minha primeira vêz.

Me vi,de novo,dançando forró,xote e vanerão;
Nos bailes do Asa Branca,Clube Nipo e Casarão.
Mergulhei na nostalgia,no arquivo das lembranças,
E me vi,livre e solto,sorrindo feito criança.

Com ternura recordei minha primeira poesia;
Que nasceu em suas ruas,o poeta ali surgia.
Foi subindo a Paes Leme,sua rua principal,
Que a inspiração surgiu de maneira  triunfal.

Lembrei-me de Mauro Brito,um prefeito exemplar;
Juca garcia de Freitas,então me vi soluçar.
De saudades,Andradina,dos anos ai vividos,
Pouco a pouco as lembranças,povoaram meus sentidos.

Seu Isael do jornal,lembrei Ronaldo Mainardi;
Paulo Rodrigues Novaes,lembrei  Elpidio Tencarde.
Dona Jail,Orensy,Miguel Cury e Roselana,
Lembrei  Geraldo Shiomi e também Nego Viana.

As lágrimas cairam quando lembrei  de Joana;
Minha primeira paixão e o quanto foi desumana.
A morena mais bonita,a mais bela musa amada,
Que não quis,nem por decleto,ser a minha namorada.

Porém,surgiu um sorriso,quando veio na memória;
A lembrança de alguém que marcou minha trajetória.
Professor Gerson Paulino,um mestre,um companheiro,
Carrego no coração,saudades desse guerreiro.

Edna Brito,por ela,tenho grande gratidão;
Carinho e respeito,ternura e admiração.
Quando fui embora ganhei,dessa mulher um presente,
Quando voltar vou agradecer à ela,pessoalmente.

E foi assim,Andradina,que mergulhei na saudade;
No tempo que estudei no Teodoro de Andrade.
Cada rua,cada esquina,cada vila de você,
Recordei,pois aprendi,que recordar é viver.

Oh,Andradina querida,sei que vou voltar um dia;
Vou rever velhos amigos,vou chorar de alegria.
Subir,de novo,a Paes Leme,me entregar à emoção,
Evocando na lembrança,a primeira inspiração.

Andradina,o poeta,aplaude sua trajetória;
Cresce no peito o orgulho,sou parte de sua história.
Venho te homenagear,com os meus versos rimados,
Salve,salve Andradina,Cidade do Rei do Gado.

E na poesia grito alto,que todos saibam que sou;
Um homem simples,poeta,sou filho de Andradina.

Compartilhar

Estou há 12 anos loge de minha cidade;
E é enorme a saudade!!!
Em Outubro,se tudo correr bem,estarei novamente
revendo a cidade onde nasci!!!
Andradina,interior de São Paulo,Metrópole de Urubupungá!!!

Luiz Carlos Gurutuba
03/06/2008