Site de Poesias

Menu

** SILÊNCIO PROGRAMADO** (CRÔNICA)

[Ilustração não carregada]

** SILÊNCIO PROGRAMADO**
 
Hoje, me programei pra passar o dia em silêncio...
Pra ouvir minha respiração solta, quando me ponho a pensar em você...


Sintonizei o rádio, naquela estação onde só toca Catedral...
Aumentei o volume do computador pra ouvir Caetano cantar / Diana, e Roberto Carlos / as mais românticas canções de amor...
 
Entre um e-mail e outro se recorda e se deseja dias felizes, quem sabe a hora é já...


Poetas mortos, livros abertos, alma a vagar, liberdade, razão, tudo a me invadir nesta vida, neste tempo onde estou a divagar e a tentar compreender, amor, paixão, sentir, viver...
 
Estrada da vida, um amor não vivido, sonhos interrompidos, desejos contidos, no peito uma saudade a te buscar...
 
Parece um filme, vida corrida, eu no meio da sala, perdida escrevo um poema, pensando na letra daquela canção que fala de amor...
 
Por mais que eu me afaste do mundo, me perca no meu silenciar, ninguém ainda poderá me impedir, de escrever e sonhar, semear o amor em cada coração que na minha vida passar...
 
Almofadas no chão espalhadas, perfume de flores, incenso de jasmim a queimar onde coloco jazz pra ouvir você recitar o poema de amor...
 
Cabeça cheia de vinho, misturada entre lembranças e paixões...
Olhar distante, a luz entre a porta, será miragem ou será você que chegou...
 
Abro a janela de minha história de anos atrás, observo um moço ainda jovem de mochila nas costas, em pleno sol de meio dia a vagar nas calçadas da cidade do interior...
 
Vejo uma criança no jardim da praça a brincar de amarelinha...
Folhas mortas no chão, poeira de terra vermelha pelo vento se vão, e na verdade tudo me parece tão igual...
 
Mesmo que a realidade de hoje seja toda ela mostrada em cores e a gente encontre formas diferentes de conversar...
 
Quem se lembra afinal, eu só escrevo rabiscos, revejo a minha e outras histórias no meu pequeno caderno com idéias difusas, cenas engraçadas de uma vida que por vezes pode ter sido por mim ou por você vivida...
 
E ao recolher tantos papéis no chão espalhados, mentalmente vejo tua imagem sublime de um anjo encantador a me observar, um passaro lá fora a cantar, quebrando assim o meu silêncio...
 
Hora de voltar realidade, vida presente, na boca o gosto saboroso do vinho e do beijo que eu ainda não dei...
Bem como poderá ser amanhã só desejo que tudo nunca sejas tão igual...

*** (*_*)  ***

Olá amigos, sou uma eterna aprendiz, e esta é minha primeira 'crônica"   se não estiver boa por favor me perdoem!


Compartilhar

Bjs em cada coraçã que aqui passar e meu carinho especial em sua alma! NO TRABALHO!

Vania Staggemeier
28/11/2007

  • 10 comentários
  • 2064 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados