Site de Poesias

Menu

Assaltos

[Ilustração não carregada]

Do medo, eu teço mais coragem.
Um salto maior eu dou se me acorrentam.
Da dor da poda eu renasço inteira
Saio a melhor rosa da roseira.

Do cinza frio do asfalto
Do vermelho sangue nos olhos do bandido
Eu ergo minha bandeira ao alto: lilás e rosa.
Outra fada teria fugido...

Eu encanto, crio, expando.
Mesmo que minhas asas tremam
Mesmo que estejam amarradas
Eu vôo.
Mesmo que o medo açoite-me à noite
E a dúvida surja em seu caminho.

Do piloto automático eu fujo
Da venda nos olhos - que já são cegos...
Não quero a vibração das pedras
Quero a velocidade da luz.

“Ás vezes, as boas noticias vêm disfarçadas de más...
É preciso ver através, o que a vida está querendo realmente lhe mostrar.”

Carolina Salcides

Compartilhar
Carolina Salcides
25/07/2007

  • 3 comentários
  • 1245 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados