Site de Poesias

Menu

Concreta

Já bati contra o muro
Já me vi em ruas sem saídas
Já chorei muito, mas já ri muito mais.
Porque não há parede que me bloqueie
Escuro que me afugente
Eu vivo a vida urgente!
Eu posso voar se chegar no fim...
Porque não há fim para uma alma eterna.
Não há breu onde há brilho
E eu brilho sim meu bem!
Eu deixo minha marca
Te dou o meu sorriso
Minhas palavras...
Meus olhos falam por mim
Não preciso de definições.
Minha face me define
O clima me destingue.
Não sou musa, bem que queria
Ser arte,
mas não ser julgada pelo olhar comum.
Quero um olhar detalhado, estudado
Não palavras ditas só por dizer
Ser admirada, ponto a ponto de uma arte
Nem um pouco abstrata.

Carolina Salcides

 

Compartilhar

Imagem do poema: http://photos1.blogger.co...

Carolina Salcides
01/12/2006