Site de Poesias

Menu

ANJO DA GUARDA

Andando à noite meio atarantado,
Ouvi o som de uma canção Divina.
Senti que um Anjo estava ao meu lado,
E revelou-me sua triste sina:

" É meu dever assegurar-te a vida,
Mas tens me dado imenso labor;
Eu estou sempre te dando guarida,
Te protegendo e oferecendo amor.

Por que tu forças tanto os motores,
se tens o tempo todo prá chegar ?
Nesses momentos me causas temores,
Pois tenho medo de um dia falhar.

Desde a infância te acompanho a vida,
E já me deste um trabalho danado;
Não que não goste dessa nobre lida,
Só te suplico prá teres cuidado.

Procura, pois, andar com melhor tino,
Nos preservando de mil dissabores.
A qualquer hora o Senhor dos Destinos
Pode zangar-se, te provocar dores.

Por mais que eu lute prá ficar atento,
Pode ocorrer de um dia falhar;
Rezo prá nunca chegar o momento,
De me deixares sozinho a chorar. "

Compartilhar
luiz angelo vilela tannus
05/06/2006