Site de Poesias

Menu

Manhã de Maio.

 
O fato se deu numa manhã do mês de maio de 2124. Chico Mendes renasceu das cinzas e tal e qual fênix sobrevoou a floresta amazônica cujo ainda em vida, viveu, lutou e morreu para manter a sobrevivência da floresta, em especial os seringais, pois era deles que homens e mulheres tiravam o sustento para suas famílias. Naquela manhã de maio estava frio e a nevoa cobria toda a floresta. Não demorou muito pra o dia clarear, então Chico Mendes com seus membros superiores alados sobrevoou a floresta e chorou de encantamento com tudo que ele viu! Ele contemplou a floresta renovada, remoçada totalmente recuperada. Não havia mais confrontos pela terra nem fome nem dor, cada um era dono e senhor do seu pedaço de chão. Os homens de todas as raças, crédulos e etnias viviam como irmãos e trabalhavam juntos sem capatazes nem patrões, tudo o que se colhia era divido na proporção que pudesse manter as famílias e seus respectivos dependentes com muita fartura e qualidade de vida.Chico Mendes observou também que havia escolas, médicos e áreas de lazer para todos, sem nenhuma distinção. Era tudo tão lindo, democrático, solidário e, sobretudo não havia sequer uma pitada de egoísmo entre os habitantes da floresta que outrora tinha sido devastada e quase sucumbiu diante da ganância desenfreada dos coronéis que só tiravam da floresta para encher suas burras de dinheiro sujo. Então, numa manhã do mês de outubro de 2016 eu acordei e chorei de tristeza.
[...A realidade não era aquilo que sonhei...]
 
J.A.Botacini.
  

 

Compartilhar
Jose Aparecido Botacini
05/05/2018

  • 1 comentário
  • 40 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados