Site de Poesias

Menu

Derradeiro Solo

A estrada a qual me guiava a ti era infinita...

O abalo sísmico que nos separou, implacável, também...

Minh'alma atônita estagnou-se e nunca mais foi além

De paixões ínfimas e curtas, de uma vontade frágil, ainda que bonita.

 

Transpus desertos, areias, rochedos e a íngreme terra

Para alcançá-la em meu ideal. Abandonaste-me colérica...

Fiquei a sete palmos: figura esquálida e cadavérica:

Eviscerado como o soldado que é fuzilado em meio a guerra!

 

E meu amor por ti forjaria cavernas e altíssimas montanhas!

Tu eras a estátua divina, a única e última musa

Que minha idolatria ousou amar... A vida, porém, nos recusa

Juntos e teus trilhos tomaram direção oposta às minhas entranhas!

 

E esta dor que nunca se foi e em meu núcleo se petrifica?

O anjo do pó paira feito fardo a me esfarelar como poeira

E vou correndo para te alcançar, contra a rápida esteira

A qual me afasta cada vez mais de ti e a solidão me reivindica...

 

Que artesão criou tal amor em pedras esculpido,

Para que eu admirasse e cobiçasse sem que o pudesse ter?

Condenas-me à desilusão e a um constante morrer

Agora que não mais a tenho, agora que estou nas trevas perdido!

 

Meu espírito balança e treme como se estivesse em um terremoto.

Por que nosso amor sofreu tão formidável rachadura?

O que decretou tanto sentimento à cova úmida e escura?

O que me faz estar com tantas e me sentir tão remoto?!

 

Estou, hoje, como um molde de lama tão liliputiano e mole...

Tu estás marmórea, fria e distante, feito um anjo...

Eu não pude superar-te e a angústia estranha esbanjo,

Quando relembro da história roído em gole após gole...

 

E, entretanto, por mais que eu lamente, não terei mais teu colo.

Amores que foram e não são mais, são gélidas rochas...

Vivendo em ti quando tu não vives em mim, tu debochas

Daquele que sem futuro já pisou em seu derradeiro solo...

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
17/12/2017