Site de Poesias

Menu

INFINITO TINO

No dia de finados, afinei as lagrimas
para molhar o chão do passado e andei,
montado nos sentimentos dos meus
cacos encilhados, eu...
Chorei de saudade e viajei no tempo
salpicando o ar dos momentos.

No dia de finados...
Eu vi as flores, arrancadas dos seus braços
largada sob a ira do sol, para satisfazer
o enfado do cansaço...
Vi os jardins chorarem suas felicidades
e os ventos soprarem o sopro oco, dos
seus amores.

No dia de finados... Eu vi a duvida,
aflorando seus medos, seus credos, e seus
sonhos de horrores... Vi as lambanças
mística, revivendo o ato do seu assassino...
Eu vi o findo, cantando o hino...
No fino infinito do seu tino.

Antonio Montes

Compartilhar
Antonio Montes
02/11/2017