Site de Poesias

Menu

SONETO DO AMOR SOLITÁRIO

SONETO DO AMOR SOLITÁRIO

Somente o solitário conhece seu calvário
Sem intinerário, avança sempre temerário
Caso necessário, vai no sentido contrário
Levado pelo imaginário, seu castigo diário

Tem amor autoritário e fascínio temporário
Sofre involuntário pelo existencial corolário
Não possui intermediário, nem destinatário
Faz da noite o horário do padecer ordinário

Guarda, como rosário, tristeza em relicário
Repudia o santuário se julgando signatário
Age arbitrário, chora sem fazer comentário

De coração deficitário igual débil coronário
Só espera obituário, pois já dizia o literário:
Amar é ser binário, porque amor é solidário

Marco Antônio Abreu Florentino


https://youtu.be/fI7sdraX0ps
(Only Lonely - Roy Orbison)

 

Compartilhar
Marco Antônio Abreu Florentino
20/09/2017