Site de Poesias

Menu

SEM ECO

 

 

Demétrio Sena, Magé - RJ.

 

 

Nem saudade resiste ao menosprezo;

ela morre por falta de respostas;

quem a nutre sozinho sente o peso

do silêncio de cruz em suas costas...

As lembranças despencam das encostas,

quando escalam com sonhos indefesos,

onde havia esperanças restam crostas

de sentidos que agora estão obesos...

O que houve de bom fica sem chão,

feito bicho de brejo no sertão,

como rio que um dia ficou seco...

Foi assim que murchou meu sentimento;

minha massa incruou sem seu fermento,

pois a minha emoção ficou sem eco...

 

Compartilhar
Demétrio Sena, Magé - RJ.
06/09/2017