Site de Poesias

Menu

Cetíneas bocas

Cetíneas bocas
 
 
Inocentes sonhos, lindas fantasias
Lampejos esculpidos em devaneios
Quimeras  utópicas, mil alegrias
Delírios incontidos, mil anseios
 
Cetíneas bocas, por momentos minhas
Onde andais caladas; nem dais sinais
Fazeis verão, igual às andorinhas...
Só que elas voltam. Mas vós, não voltais
 
Os quentes beijos jamais poderei esquecer
Hei-de morrer sonhando feliz, contente
Ao sentir vosso calor se desprender
 
Nesta saudade viva, permanente
Onde outrora no seu enrubescer
Juravam amar-me eternamente !
 
São Paulo, 03-09-2017 (data da criação)
Armando A. C. Garcia
 
Visite meus blogs:
http://brisadapoesia.blogspot.com
http://criancaspoesias.blogspot.com
http://preludiodesonetos.blogspot.com
 
Direitos autorais registrado
Mantenha a autoria do poema

Compartilhar
ARMANDO A. C. GARCIA
05/09/2017

  • 0 comentários
  • 27 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados