Site de Poesias

Menu

Tudo por umas Moedas

[Ilustração não carregada]

Mundo da estatística,
 antes método de quantificação,
 agora poderosa deusa a ser nutrida,
 instrumento de manipulação.
 Mundo dos resultados,
 produzir, produto e produtividade,
 Tudo deve ter um valor,
 tudo deve ser vendável,
 tudo deve um ter preço.
 Frações, numerador
 e denominador, porcentagens,
 juros, base e expoentes,
 e também algumas multas.
 O perde e ganha.
 O compra e vende.
 O lucro e o prejuízo.
 “E aí, seu “doutor”,
 vai aí umas unidades de amor?”
 “E aí, “gente boa”,
 vai alguns quilos de justiça?”
 Até nos cruzamentos
 tem gente vendendo alguma coisa.
 Para os tecnocratas
 não existem problemas,
 mas sim variáveis
 fixas e flutuantes,
 belos gráficos cartesianos.
 Poesia numérica
 que cria percentuais
 de excluídos disso e daquilo.
 Métrica musical de diretamente
 e inversamente proporcional.
 Suprema cultura, polida oratória,
 enciclopédias sem almas.
 Muita informação inversamente
 proporcional à sensibilidade.

Compartilhar
Gilberto Brandão Marcon
06/08/2017