Site de Poesias

Menu

O JARDIM DAS ACÁCIAS

O JARDIM DAS ACÁCIAS . ¨ .

Escutais os lamentos, oh! filhos de Salomão
Eles são desvalidos e imploram por migalhas
Protegeis os rebentos dos protocolos do Sião
Mesmo combalidos, lutem nas suas batalhas

Venerais Hirão que mostrou a via da redenção
Arquiteto construtor, também mestre e doutor
Orais pelo estrito irmão, caminho da salvação
O malho produtor e à direita o cinzel condutor

Considerais Baphomet, visão inicial de Maomé
Origem no templário, não se entrega originário
Ao caírdes, caia em pé, mas não perca sua fé
O fiel depositário, no mundo mais humanitário

Observais a pirâmide, tão perfeita construção
Mundo circular, sem começo e fim para fechar
Festejais a efeméride em busca da iluminação
O esquadro vem confirmar, retidão a preservar

Evitais a corrente da prisão, falta de evolução
No pentagrama humano, o universo cartesiano
Embainhais a espada de deão, justa reparação
No altar deste plano o arquiteto além mundano

Respeitais os rituais, obedecem as leis orientais
Sol da iluminação, nas velas forte determinação
Buscais as forças mentais e os seres espirituais
Nas lojas, da iniciação ao soberano da inspeção

Reflitais nos conceitos de liberdade e igualdade
No verde das acácias a vida não tem contumácia
Exultais a fraternidade com os irmãos da verdade
Silêncio e pertinácia no eterno jardim das acácias

Marco Antônio Abreu Florentino

Em memória de meu pai Antônio Amadeu Florentino - GOB . ¨ .

Dedicado a quatro queridos amigos e irmãos: Beto Ayala (Gurgel) - querido amigo da graduação em filosofia na UFPB e Renato Barth, Marcos Narciso e Ferreirinha, estimados amigos de trabalho.

https://youtu.be/heyghZ0QPL4
(Música Para Franco Maçonaria XIX - Quinta Essentia - Michel Pépe)

Compartilhar
Marco Antônio Abreu Florentino
22/07/2017

  • 0 comentários
  • 14 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados