Site de Poesias

Menu

Relatório de Perdas

Nada mais justo do que trabalhar até morrer.

Nunca entenderei o porquê de todos tão apáticos.

Nunca entenderei como ainda acreditam na televisão.

Nada mais justo do que ser tratado feito esterco...

 

Nunca entenderei o porquê de tanta submissão.

Nada mais justo do que uma revolução armada.

Nada mais justo do que uma guerra civil, mas...

Nunca entenderei a razão do povaréu estar tão acomodado.

 

Trabalharemos por um século, terceirizados e sem nada.

Produziremos como máquinas, receberemos como insetos.

Sem descanso, sem trégua, sem bônus... ou vai para a rua!

Vai entender o que se passa na mentalidade da sociedade?

 

Finalizo este relatório, subscrevendo-me e desejando votos

De elevada estima e consideração por todo o oposto do que narrei.

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
25/03/2017