Site de Poesias

Menu

O Aroma

Cheiro que me chega
Das minhas andanças
Não é doce
Não é amargo
É cheio de lembrança
É como sentir o frescor
De se adentrar em uma floresta
E ser invadido
Pelo puro oxigênio das matas
Ah, esse cheiro
Trazem-me a infância
Junto de meu pai
Do seu trabalho
A ser visitado
Em um dia qualquer
Olhando os grãos
Os sentindo nas mãos
Olhando toneladas de sacas
É o mesmo aroma
É o café
A perfumar o meu repentino caminho
O forte aroma me agarra
E vai comigo guardado
E quem sabe outro dia
O sinta como naquelas
Longas tardes
Na fábrica de
Café 

Compartilhar

para meu pai, que trabalhou por muito tempo em uma empresa de café... e, às vezes, eu o visitava. Botucatu - São Paulo

Marcela Hebeler Barbosa
11/03/2017

  • 2 comentários
  • 113 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados