Site de Poesias

Menu

Dia Cinzento

Goethe, antes da morte, pedia por mais luz.

A luz, todavia, ofusca, tonteia e nos cega...

O ser humano acaba por se afeiçoar à escuridão

Para observar sua própria identidade nublada, como o céu.

 

O dia de nuvens carregadas somos todos nós.

(Sofremos, cada um de nós, da síndrome do ouriço).

Os dias são cinzentos, porque, em essência, o somos...

Mas não hemos de admitir, jamais.

 

Queríamos ser criaturas de tamanha justiça e amor,

Contudo, somos mais próximos da culpa e tristeza.

Traçamos planos brilhantes, mas finalizamos em cinzas:

Cinzas de ideologias devoradas pela realidade...

 

E quem sou eu para julgar a moral (ou falta dela) humana?

Sofro deste mesmo mal, é o nosso vício...

É a sociedade, o mundo que nos faz assim?

Ou nascemos coloridos e vamos ficando cinzentos?

Compartilhar
Thiago da Silva Carbone
01/03/2017