Site de Poesias

Menu

CÃO VELHO

 
 
 Cão velho, quando você adormece a meus pés
seus olhos tremulam  ligeiramente ,  
suas patas se movem como se em doida corrida
e há latidos tristonhos
 Imagino que você está perseguindo presas imaginárias
no interminável campo dos sonhos
 
Chovia forte quando te avistei  tão pequenino e só
na enxurrada,  por ela carregado
Corri em teu socorro  e nem imaginei que adotava
Um dos milhares de cães abandonados
 
Nossa vidas  dali em diante  andaram paralelas
Foi então que  aprendi que é possível ter amigos
Desinteressados e gratos pela simples companhia
Conformados e alegres por um simples abrigo
 
Conseguiu trazer a minha vida novo amor,  a Rita
A ultima mulher de minha vida, nos viu e te afagou
Nos olhamos e senti reviver a chama pálida,
 medrosa, timida de quem, um dia, se apaixonou
 
Mas, fazer o que a Rita já partiu e nos espera
Em algum lugar da universal esfera
 
Se você partir primeiro, triste eu  prometo
Deitar teu corpo num campo florido e risonho
Em rasa cova, de onde você possa se safar
E brincar com  as presas vistas  nos teus sonhos
 
Se primeiro eu me for, já está combinado
Te deixo aos cuidados do meu melhor amigo
Que cuidará de ti, farei falta sim, mas aceite
No reecontro voce e a  Rita estarão comigo
 

 
Seremos felizes para sempre 

Compartilhar
BUENO
13/01/2017

  • 2 comentários
  • 65 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados