Site de Poesias

Menu

O GRITO QUE SAI PELOS DEDOS.

Desenhava palavras indecifráveis

com sua mão no ar.

Com seus dedos bailando

digitava sonhos intermináveis.

 

Conduzia orquestras

com seus braços erguidos.

Seus gritos inacessíveis

eram reconhecidos pelos gestos faciais.

 

As vezes tudo silenciava.

Uma breve pausa.

Depois tudo recomeçava.

 

E hoje tudo se foi:

A mao, os dedos, os braços e até os gestos faciais.

Ficou uma lembrança danada de doida.

Compartilhar

De vez em quanto o grito nao quer sair pelo local mais apropriado que seria a boca, ele vem e quer sair pelos dedos que se tornam objeto de simples uso. E as palavras surgem como espíritos que escapam da alma d'gente e tentam ganhar o mundo. Vira sujeito e nós simples instrumento. Sao Joaquim de Bicas

Onivid ed Ortsac Saiuqalam
27/12/2015