Site de Poesias

Menu

PRETERIDO AMOR!

Amavas-me com ternura;
Hoje, de ti, tenho apenas a secura.
Amavas-me com paixão;
Hoje, de ti, apenas, a estica da razão.
 
Amavas-me com desiderato e voraz ardil;
Hoje, de ti, somente toques fátuo, simples e vil.
Amavas-me insaciavelmente com prazer lobal;
Hoje, de ti, apenas, um amor factual.
 
Amavas-me com volúpia extenuada;
Hoje, de ti, apenas, uma cópula vencida e cansada.
Amavas-me rítmica e regular, como um compasso;
Hoje, de ti, apenas, um amor esporádico e nefasto.
 
Amavas-me, sobretudo, amavas-me!
Hoje, já não me amas mais...
Amavas-me, como sendo o máximo para ti!
Hoje, amar-me, não queres mais.
 
Autor: Jeovan A. dos Santos.

 
 

Compartilhar

Assistindo a um filme, vir um grande amor se acabar. É claro que "um amor, não termina assim" (Fábio Jr), no caso aqui, uma conjunção de fatores contribuíra para que "esse amor" tornasse um amor preterido. Se vai ficar "alguma coisa sem morrer", é outra poesia; mas, pude perceber, como isso é mais comum do que às vezes supunha e, todos os dias, amores se vão!
Obrigado a todos que comentarem ou compartilharem. Protegida por lei. Se fizer uso, favor dar os créditos para o autor. Prado, Bahia, Brazil, 10 de Outubro de 2015. Prado, Bahia, Brazil, 10 de Outubro de 2015

Jeovan A. dos Santos
10/10/2015