Site de Poesias

Menu

O velho, o sapo e a lagoa

 
 
Fim de tarde e  o velho contemplava a lagoa
Acomodado  sobre  antigo  madeiro  
O velho matutava, tecia conjecturas:
-Vida de sapo não é assim  tão boa
Analisava a feiura,  a rotina singular
do que faz a noite a hora preferida
Vitima indefesa da mais negra magia
Jeito de ir e vir e de se alimentar
 
Ia mais longe o velho, se quando adormecido,
sonharia o sapo, terá ele,  pensava, a regalia?
Ou seu tempo de sono é simples  apagar,
Um tempo de descanso e corpo entorpecido?
Será que ele não sonha em transe delirante
Uma linda virgem de lábios bem vermelhos
O tomando nos braços, aos beijos,  desejosa,
Torna-lo  um príncipe, gentil e fascinante?
 
 
 
E foi alargando os campos do pensar:
-Se o sapo for beijado pela linda donzela
pode se transformar numa linda figura
ou  é só fantasia  para   engavelar ?
É um fato  provável   ou maré de incerteza?
Se é premissa vera eu, por pura analogia,
vou sair por ai, a beijar  pererecas
Sabe-se lá se uma se transmude em princesa
 
Riu intimamente do seu mais louco sonho
A brisa mansa e fresca  o velho açoitou
Depressa levantando e ajeitando a roupa
Em intímo juízo considerou tristonho
 Que faria eu com donzela prendada?
Nadinha pensou e rumou para casa
Indo  mergulhar seus dotes filosóficos
Numa grande terrina de coalhada
 

 
 

Compartilhar
BUENO
05/06/2015

  • 1 comentário
  • 108 visualizações neste mês
  • © Todos os direitos reservados