Site de Poesias

Menu

Um amor que não morre

Um encontro
O destino talvez
Em meio ao total desencontro...
Um amor que nasceu
Cresceu...
Desilusão
Por tudo que esperávamos
E nada acontecia...
Tanta paixão
Todas as emoções
Para enganarmos a solidão
Sonhos
Muitos sonhos
Não conseguíamos acordar
E sonhávamos
Vivíamos cada momento
Não havia mais nada
Não existia mais o tempo
Éramos reféns
Desse enorme sentimento...
Um amor que adormeceu
Porém,
Um amor que não morre
Acorda...

Acorda...

Compartilhar
Eduardo Vieira
25/02/2015

  • 1 comentário
  • 224 visualizações neste mês
  • sob licença creative commons
    Você pode distribuir este poema, desde que:
    • Atribua créditos ao seu autor
    • Não use-o comercialmente
    • Distribua-o sob essa mesma licença