Site de Poesias

Menu

Céu e Inferno

[Ilustração não carregada]


 
 Vozes da noite.
 Não sendo um gigante, nem um anão,
 não tendo a rebeldia do guerrilheiro,
 nem a apatia do alienado.
 E é tão fácil visualizar os opostos,
 como difícil é encontrar o meio termo.
 Seriam efetivamente duas opções,
 ou haveria uma mediana?
 Seria, então, apenas mais esta terceira,
 ou haveria muitas possibilidades entre os extremos?
 Bastaria um decidir racional, ou
 haveria influência da emoção?
 Creio serem muitas as possibilidades.
 Creio serem tantas,
 que talvez convidassem
 os menos persistentes para a fuga.
 Sendo assim, talvez criássemos traumas,
 trevas em meio à luz,
 noite em meio ao dia,
 gerando noites preocupadas com o dias.
 Criando insônias onde divagar
 do abismo para as estrelas longínquas.
 Descobrindo a distância,
 desafiando o próprio medo
 e voando em pensamento.
 Ganhando olhos de ver ao longe,
 despertando amor pela própria pequenez.
 Pressentindo o infinito tamanho
 onde está mergulhado,
 confundindo-se, entretanto,
 sentido-se por demais insignificante.
 Humilhando-se de alguma forma,
 imobilizando-se, abandonando o voo.
 Tendo algo como que vergonha de si mesmo,
 para, então, concluir
 que esta vem de seu orgulho.
 Descobrindo em meio a uma lágrima oculta,
 o quão longa é a caminhada.
 Novos conflitos, sentimentos volúveis
 como as fases da lua.
 Tentar entender o mundo,
 descobrindo-o bom e ruim ao mesmo tempo.
 Uma vontade de ficar se confrontando
 com a atração pelo desafio de ir.
 Algo na consciência lhe denuncia oculta culpa,
 impulsionando-o a ir.
 Dói-lhe a coluna. Complexo de Atlas,
 sente o mundo sobre as costas.
 Insuportável tamanho peso.
 Desinteressa-se pelo viver cotidiano,
 mas sabe ser preciso encontrar
 um objetivo para viver .
 Não lhe basta o viver do dia-a-dia,
 existe uma incômoda sede
 de perdido no deserto.
 Não sabe sede de quê,
 mas o deserto parece local propício,
 pois precisa de ajuda,
 precisa ser salvo por outrem,
 já que parece perder-se de si.
 Individualidade errática,
 que tanto busca certezas
 e vive mergulhada em dúvidas.
 Poderia abandonar o questionamento,
 mas com fazê-lo,
 se é nele que parece encontrar alimento,
 se não sacia sua fome?
 Ao menos assim se consola,
 permitindo prosseguir
 na compulsória estrada.
 Seria um zumbi condicionado
 ou a inquietação aturdida e chocada?
 Qual o porquê da vida?
 Religião, filosofia, ideologia...
 embriaguez cerebral.
 O tempo insiste em andar muito depressa,
 sente-se atropelado.
 Quer se adaptar,
 mas tudo muda continuamente,.
 Quer paz, mas existe luta.
 Onde? Quando? Por quê?
 Interrogações, muitas interrogações...
 Corpo e espírito.
 Numa ansiedade tão ruim
 quanto parece ser necessária,
 como se fosse combustível
 para a busca da verdade.
 A tal verdade,
 que ora parece oculta, ora visível,
 ora traz percepção,
 ora traz inexplicável saudade.
 Inexplicável por ser sujeito oculto,
 pois só procura quem não encontrou.
 Nova dicotomia,
 o ser parece ter mais de uma face.
 Concluindo estranho o desejo
 de reencontro com o espírito.

Compartilhar
Gilberto Brandão Marcon
03/08/2014